Please note that JavaScript and style sheet are used in this website,
Due to unadaptability of the style sheet with the browser used in your computer, pages may not look as original.
Even in such a case, however, the contents can be used safely.

  1. Home
  2. Cases
  3. Instituto Geral de Perícias do Rio Grande do Sul (IGP/RS)

Instituto Geral de Perícias do Rio Grande do Sul (IGP/RS) Soluções em Biometria AFIS da NEC suporta a diminuição do número de crimes e o custo.


Introdução

Criado em 17 de junho de 1997, O Instituto Geral de Perícias (IGP) é um órgão de segurança pública brasileiro, do Estado do Rio Grande do Sul, vinculado à Secretaria de Segurança Pública.

As principais atribuições do IGP são a realização de perícias médico-legais e criminalistas; os serviços de identificação e o desenvolvimento de estudos e pesquisas em sua área de atuação; a coordenação e a supervisão de diversos departamentos ligados à defesa pública.

Desafios

photo

O Governo estadual do Rio Grande do Sul precisava, por meio de sua Secretaria de Segurança Pública, de sistemas confiáveis de identificação dos seus cidadãos para aumentar a segurança e amparar o estado de direito, prevenindo, investigando e combatendo eficazmente atos delituosos. Para isso, era imperativo dispor de ferramentas de registro de informação biométricas que suportassem as tarefas operacionais e de investigação.

Em 2006, o IGP/RS implementou o AFIS (Sistema de Identificação de Impressões Digitais) da NEC a fim de emitir documentos de identificação e beneficiar os serviços civis. Dois anos mais tarde, 300,000 registros criminais foram adicionados à base de dados para pesquisa forense na identificação de pessoas por meio de impressão latente. Contudo, a base de dados de identificação de cidadãos e os registros criminais não estavam integrados.

Em 2012 o banco de registros de identificação de latentes tinha um alcance muito limitado, e os sitema em operação baseava-se em uma arquitetura bastante antiga. O desafio era proporcionar a expansão do banco de dados para uso em atividades forenses e integrá-lo ao banco de dados de cidadãos civis. Nesse mesmo ano o IGP/RS realizou a implementação do Sistema de Identificação de Impressões Digitais AFIS da NEC, sob o gerenciamento da PROCERGS (Companhia de Processamento de Dados do Estado do Rio Grande do Sul).

Em 2013,  o novo desafio  foi migrar todas as aplicações do sistema computacional do IGP/RS para o PROCERGS. Upgrade tecnologico para acomodar a expansão das bases de dados biométricos de identificação para mais de 7 milhões de cidadãos.  O IGP/RS tinha muito a fazer, como a integração dos dados civis e criminais, garantindo a unicidade do cidadão na emissão do documento de identidade, o cadastramento da população do sistema prisional da Secretaria de Segurança Pública e o apoio às atividades forenses e de investigação criminal.

Solução

A NEC atualizou o AFIS para possibilitar a identificação e o processamento de grandes volumes de dados de maneira eficaz.

Uma solução composta de sofisticado motor de pesquisas AFIS, terminais dedicados e o premiado software para uso em atividades forenses. O software a serviço dos papiloscopistas do estado, que garante a autenticidade dos dados inseridos nos cadastros. Uma ferramenta que passou a ser utilizada tanto no âmbito civil quanto nas atividades forenses, envolvendo desde a emissão das carteiras de identidade até o cadastramento dos presos no sistema da Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Sul, passando pela aplicação na atividade de resolução de crimes, identificação de cadáveres e vítimas de desastres de massa.

"Desenvolvida ao longo de mais de 30 anos,  nossa tecnologia de identificação biométrica foi eleita a número 1 do mundo por sua eficiência,  de acordo com o NIST – National Institute of Standards and Technology –, orgão responsável pela padronização e avaliação das tecnologias de reconhecimento de impressões digitais, sediado nos Estados Unidos", afirmou Massato Takakuwa, diretor de negócios para governo da NEC no Brasil.  O princípio do funcionamento dessa tecnologia NEC parte do processamento dos pontos característicos das impressões digitais, conhecidos como minúcias. "As imagens das impressões digitais são recebidas, e o sistema extrai automaticamente as minúcias. Em seguida, classifica os tipos de padrões, realiza a busca na base de dados e reporta o resultado, otimizando a intervenção humana nos processos referentes à identificação", complementa Takakuwa.

Resultados

A migração e a implementação da nova plataforma foram realizadas com total segurança, garantia e gestão rigorosa da base de dados do IGP/RS.

Após a migração, a precisão da autenticação foi melhorada e a quantidade de resolução de crimes miuto aumentada. Com o novo AFIS da NEC,  foi possível minimizar a incidência de delitos de falsificação na emissão de registros de identidade e demais documentos. De acordo com Cláudio Dutra, vice-presidente da PROCERGS, a diminuição no número de fraudes após a aplicação da plataforma AFIS representa também a redução de custos para o poder público. "O compartilhamento dos dados civis e penais nos permite chegar a resultados precisos, ajudando trabalhos de perícia e coibindo a falsidade ideológica e todos os problemas que podem acarretar, tanto do ponto de vista da segurança da população quanto da prevenção a fraudes", afirma Dutra.

Com a plataforma robusta e flexível da NEC, é possível ampliar a tecnologia para os bancos de dados do Detran-RS,  responsável pela emissão das licenças de habilitação e pela concentração das informações relacionadas aos motoristas cadastrados no Estado, bem como para o Instituto de Previdência do Estado, que gerencia todo o sistema de controle e validação de consultas e exames médicos da população. "No Detran, o processo de inclusão dos dados na plataforma representa um grande avanço na integração por meio da biometria, que culmina com a atualização periódica dos cadastros. Com relação ao Instituto de Previdência do Estado, os processos administrativos na área da saúde ficam mais ágeis", diz Cláudio Dutra.

Dutra explica, ainda, que a ferramenta possibilita colocar à disposição da população o chamado 'Login do Cidadão', uma senha individual que dá acesso às pessoas aos principais serviços públicos disponíveis. "A oferta desse serviço é possível graças à integração dos dados em todos os órgãos, que é o objetivo central desse trabalho. É importante destacar que estamos caminhando de forma concreta nesse sentido. Até o momento, já contamos com 6,3 milhões de identidades biométricas na base AFIS, o que representa 60% do total do Estado", finaliza Dutra.

Sobre

A PROCERGS - Companhia de Processamento de Dados do Estado do Rio Grande do Sul , foi a empresa designada pelo IGP para assumir o processamento e operação da tecnologia AFIS da NEC. É uma empresa de economia mista, que iniciou suas atividades em 28 de dezembro de 1972 como órgão executor da política de informática do Estado. Hoje é a maior empresa de informática do Rio Grande do Sul e processa diariamente milhões de transações vitais para o bom funcionamento do serviço público e o atendimento à comunidade, afetando a vida de milhões de gaúchos.

Para atender a suas necessidades, a PROCERGS tem trabalhado lado a lado com os demais órgãos do Estado, gerando soluções que contribuem para apoiar a ação do Governo, modernizar a gestão pública, melhorar os serviços prestados ao cidadão e democratizar o acesso à informação, buscando assegurar ao Estado e à comunidade o máximo de retorno para os investimentos em informática pública.

Perfil do Cliente

Instituto Geral de Perícias do Rio Grande do Sul (IGP/RS)

Tipo de negócio Governo
Estabelecido 1997
URL http://www.igp.rs.gov.br/

(MAR 30, 2015)